500 anos da Reforma Protestante (1517-2017)

28/02/2017

Compartilhar:

1517-2017 (500 ANOS DE REFORMA PROTESTANTE)

A IGREJA REFORMADA, SEMPRE REFORMANDO

[Ecclesia reformata et semper reformanda secundum verbum Dei]
A Igreja Reformada, sempre reformando de acordo com a Palavra de Deus

Da Reforma Protestante do século XVI até os dias atuais continua ecoando o Sola Scriptura, Sola Christus, Sola Gratia, Sola Fide, Soli Deo Gloria. É imperioso que se reflita os propósitos da fidelização aos Cinco Solas nos dias atuais. 500 anos depois, confessando que somente a Escritura, Cristo, a Graça, a Fé e a Glória de Deus, podemos afirmar que temos uma Igreja Reformada hoje? Parece-me que uma das dificuldades da maioria das igrejas consideradas Reformadas é o sempre reformando. Essa tensão é real nos nossos dias atuais, pois o sempre reformando continua gerando divisões que longe estão de serem resolvidas. E por que? Porque muito do que se professa reformado está na forma, na estrutura e poder eclesiástico e na liturgia, entre outras.

A reforma necessária e urgente na vida das igrejas do movimento reformado é entender o propósito dos solas: a missão de Deus no mundo. É preciso começar com o sola gerador de todos os outros: o sola missio Dei. O sola Scriptura, sola Christus, sola Gratia, sola Fide e soli Deo Gloria não tem nenhum sentido sem a missão de Deus.

É justamente porque Deus tem uma missão no mundo que Ele nos proporcionou Sua revelação (Sola Scriptura). Qual o sentido da Escritura existir e de Deus querer se revelar nela se não sua própria missão? Assim, o próprio Cristo (Sola Christus) só veio ao mundo porque Deus, que tem uma missão para com mundo, amou o mundo. “Deus em Cristo estava reconciliando consigo o mundo, não lançando em conta os pecados dos homens” (2 Co 5:19). Tal situação pecaminosa do mundo exige a salvação mediada pela graça (Sola Gratia) e pela fé (Sola Fide). E tudo o que fazemos para Deus, como agentes/instrumentos de Sua missão, é alvo penúltimo da missão, pois o alvo último é sim a glória de Deus (Soli Deo Gloria) – “para que vejam as suas boas obras (alvo penúltimo) e glorifiquem ao Pai (alvo último) de vocês, que está nos céus” (Mt 5:16).

E ainda, é inconcebível ser uma igreja sempre reformada, de acordo com a Palavra de Deus (secundum verbum Dei), sem a participação do Espírito Santo! Por que até hoje ainda não adicionamos o Sola Espiritus Sancti nos solas? Será que existe uma mística em torno dos Cinco Solas? Incluir mais solas seria para algumas pessoas sinônimo de desrespeito para com a tradição reformada? Até quando imperará no movimento reformado a tendência do cristomonismo? Sem a presença ativa e dinâmica do Espírito Santo uma igreja jamais será sempre reformada!

Já passou o tempo de entender que o Sola Scriptura só existe porque Deus, por meio dela, revela seu propósito para com Sua criação. A principal reforma que as igrejas participantes do movimento reformado precisam hoje é se converter à missão de Deus. Ou isso ou um tradicionalismo engessado que caminha para a manutenção de uma estrutura eclesiástica que dá evidências claras de igrejas que não crescem e nem plantam outras.

Ou o movimento Reformado assume de vez sua vocação missional, cuja liderança pastoral está a serviço de capacitar a igreja para ser instrumento da missio Dei no mundo, ou seus relatórios anuais dos concílios contarão mais o número dos enterros e dos que saíram da igreja do que o número daqueles que foram alcançados pelo Sola Christus por meio do Sola Gratia e Fide.

Para que o movimento Reformado viva como expressão do Soli Deo Gloria precisa urgentemente voltar-se para a missio Dei. Nenhum movimento glorificará a Deus em sua plenitude se não for instrumento de Sua missão no mundo! A relevância e pertinência deste movimento depende disso.

 

* Artigo originalmente publicado no site da Aliança Evangélica 


Compartilhar: